Cultura
13.09.19

PROCULTURA apresenta oportunidades de financiamento para a economia criativa nos PALOP e Timor-Leste

A União Europeia e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, IP apresentaram, no dia 12 de setembro, em Maputo, no Centro Cultural Português, o projeto PROCULTURA – Promoção do Emprego nas Atividades Geradoras de Rendimento no Setor Cultural nos PALOP e Timor-Leste, para apoio ao desenvolvimento da economia cultural e criativa nos seis países até 2023.

Participaram na apresentação e na sessão de esclarecimento que se seguiu o Embaixador da União Europeia em Moçambique, António Sánchez-Benedito, a Encarregada de Negócios de Portugal em Maputo, Carolina Cordeiro, o Vice-Presidente Camões, IP, Gonçalo Teles Gomes, o Secretário Permanente do Ministério da Cultura e Turismo, Domingos Artur do Rosário, a Coordenadora do Projeto, Helena Silva Costa, artistas, académicos e profissionais do setor cultural.

O projeto PROCULTURA, com um orçamento de 19 milhões de Euros, é financiado pela União Europeia, cofinanciado e gerido pelo Camões, IP e cofinanciado também pela Fundação Calouste Gulbenkian, e tem por objetivo a criação de emprego através do desenvolvimento do setor cultural.

A estratégia de intervenção tem duas abordagens complementares: 1) de competências dos recursos humanos destes setores, ao nível artístico, técnico e de gestão (incluindo oferta de educação formal técnico-profissional e superior); 2) de atribuição concorrencial de subvenções para investimento em projectos que possam ser geradores de emprego nos sectores da música, artes cénicas ou literatura infanto-juvenil.

“]

As atividades do projeto serão implementadas através de uma ampla parceria, que inclui os Ministérios da Cultura, os Ministérios da Educação e tutelas da formação profissional e instituições de ensino nos PALOP e em Timor-Leste; a Agência Brasileira de Cooperação; a Agência Espanhola de Cooperação Internacional e Desenvolvimento; a Associação das Universidades e Língua Portuguesa;  a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa; a Rede de Institutos Nacionais de Cultura e Embaixadas da União Europeia; a Fundação Calouste Gulbenkian e o Ministério da Cultura de Portugal através da Direcção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas.